Pela primeira vez, Brasil entra para a lista dos piores países para trabalhadores

Durante a 108ª Conferência Internacional do Trabalho, evento ligado à Organização das Nações Unidas (ONU) realizado em junho na Suíça, a Confederação Sindical Internacional (CSI) divulgou o seu Índice Global de Direitos com o ranking dos piores países para os trabalhadores. Pela primeira vez, o Brasil entrou para a lista das 10 nações que menos respeitam os direitos da classe trabalhadora.

A estreia do país nesse ranking vergonhoso se deu mediante a análise da situação de 145 países com base em 97 indicadores reconhecidos internacionalmente. Cada um foi avaliado nos quesitos proteção ao trabalhador e liberdade de prática sindical.

Nesse sentido, a inserção do Brasil na lista foi motivada principalmente pela aprovação da Reforma Trabalhista, que impôs uma série de retrocessos e retirou direitos ligados ao trabalho. Além disso, o sufocamento financeiro e estrutural dos sindicatos, os responsáveis por proteger as garantias trabalhistas, também contribuiu para a entrada do país no ranking.

De forma geral, a situação dos trabalhadores do mundo não é positiva. Entre todas as nações analisadas, 85% violam o direito de greve e 80% negam o direito e negociação coletiva. Trata-se de uma ofensiva global das elites em busca de maiores margens de lucro.

Além do Brasil, também aparecem na lista Zimbábue, Arábia Saudita, Bangladesh, Filipinas, Guatemala, Cazaquistão, Argélia, Colômbia e Turquia. O levantamento realizado pela CSI identificou assassinatos de sindicalistas em todos os países mencionados.

Para a presidente do Sintrial Dois Vizinhos, Marilene Martins Moreira, os trabalhadores brasileiros estão sendo cada vez mais sufocados e desrespeitados pela ganância das elites e de seus representantes políticos.

“Os poderosos sabem muito bem que a mobilização dos trabalhadores é capaz de barrar os retrocessos. Por isso, decidiram atacar justamente os sindicatos, que organizam a luta da classe trabalhadora. Mais do que nunca, é preciso resistir e lutar pela dignidade dos brasileiros”, afirma.

Fonte: Sintrial Dois Vizinhos