Pandemia escancara ainda mais condições precárias dos trabalhadores de frigoríficos

Pandemia escancara ainda mais condições precárias dos trabalhadores de frigoríficos

Pandemia escancara ainda mais condições precárias dos trabalhadores de frigoríficos

Os frigoríficos já são locais conhecidos por apresentarem grandes riscos de acidentes aos trabalhadores. Mas, para além das lesões por movimentos repetitivos, ferimentos e as baixas temperaturas a que estão sujeitos, desde 2020 os trabalhadores desses estabelecimentos tiveram que incluir mais uma possibilidade risco durante o expediente: a Covid-19.

No ano passado, os frigoríficos foram um dos locais que mais tiveram afastamento de funcionários diagnosticados com Coronavírus no Brasil, perdendo apenas para os hospitais que, por razões óbvias, lideram esse ranking. Só no último trimestre de 2020, foram 2,8 mil afastamentos devido à Covid-19 nos frigoríficos.

Esse cenário desolador é resultado direto da falta de cuidado tanto dos governantes quanto das empresas para diminuírem as possibilidades de contágio.  Afinal, estamos falando de um ambiente extremamente suscetível à transmissão do vírus.

 

Um ambiente incontrolável

Por horas, os funcionários trabalham lado a lado na “linha de desmontagem” das peças de carne e a uma velocidade que impossibilita a proteção contra espirros e tosses. Há pouca circulação de ar nesses espaços, o que contribui para propagação do vírus.

Além da garantia de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) com qualidade comprovada e em quantidade suficiente, o mínimo que deveria ter sido feito era garantir espaçamento entre trabalhadores e a colocação de barreiras de acrílico entre cada funcionário.

 

Lucro acima de tudo

 Evidentemente, a aplicação de tais medidas iria gerar perdas financeiras para os empresários, interessados apenas na maximização do lucro. Quanto menos funcionários trabalharem sem intervalo e por mais tempo, e quanto mais peças de animais embaladas e empacotadas em um único dia, maior o retorno para empresa que, por isso, já não se preocupa sequer em dar condições razoáveis aos trabalhadores em períodos “normais”. A pandemia de Covid-19 agravou ainda mais esse cenário e escancarou a falta de responsabilidade.

Vidas foram perdidas em todo o país, e os trabalhadores dos frigoríficos, mais uma vez, ficaram desamparados e foram (e continuam sendo) alvos fáceis para o vírus.

 

Fonte: Sintrial dois vizinhos