Invisibilidade no ambiente de trabalho: acidentes e mortes são recorrentes na rotina do trabalhador brasileiro

Um assunto muito recorrente e pouco abordado pela sociedade brasileira é a quantidade de acidentes, doenças e mortes que ocorrem todos os dias relacionadas ao trabalho.

Segundo o Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, 4,9 milhões de trabalhadores brasileiros com carteira assinada sofreram algum tipo de acidente no trabalho desde 2012. Isso significa que uma notificação ocorre a cada 49 segundos no Brasil. Alguns desses acidentes causaram a morte de 18.035 trabalhadores (também com carteira assinada notificados desde 2012), uma morte a cada quase quatro horas.

No Paraná, um dos estados com maior índice de ocorrências, foram realizadas 48,8 mil notificações de acidentes de trabalho entre 2000 a 2018, sendo que 197 notificações foram de óbito. O comércio varejista de mercadorias em geral (com predominância de produtos alimentícios) está entre os setores com mais notificações de acidentes.

“O problema é ainda maior se levarmos em conta que esses números mostram a realidade apenas dos trabalhadores com carteira assinada. Se juntarmos aqueles que vivem na informalidade os números com certeza seriam bem maiores”, afirma Marilene Martins Moreira, presidente do Sintrial.

A situação pode ficar ainda pior por conta das propostas do novo governo que pretende simplificar as Normas Regulamentadoras do trabalho, conhecidas como NRs, imprescindíveis para garantir a saúde e segurança dos trabalhadores.

Grande parte dos acidentes que já acontecem no Brasil se dá justamente pelo não cumprimento dessas normas e não dar a devida importância para elas pode trazer danos irreversíveis para a vida do trabalhador. Se as NRs fossem cumpridas conforme prevê a lei, todo esse cenário poderia ser evitado.

“O governo é totalmente irresponsável e negligente em relação à saúde e segurança do trabalhador, parece que não temos valor nenhum. Por isso a importância de ter contato com o sindicato da categoria para saber dos seus direitos e como agir em casos como esses”, diz a presidente.

Fonte: Sintrial Dois Vizinhos