relacionamento no trabalho

Funcionários que trabalham na mesma empresa podem se relacionar?

relacionamento no trabalhoAs empresas não podem proibir o namoro entre seus funcionários. No entanto, as demonstrações de carinho mais explícitas podem ser proibidas no ambiente de trabalho. Se o casal for flagrado nessa situação, é passível de demissão por justa causa. Caso a empresa proíba os relacionamentos amorosos, isso pode caracterizar ato discriminatório.

Companhias de grande porte costumam ter normas rígidas para o namoro entre seus funcionários, mas a Justiça entende que o relacionamento é um assunto pessoal e privado, portanto foge às regras e disciplinas internas das empresas. É desaconselhável, portanto, que esses códigos de ética regulem comportamentos que não dizem respeito à conduta do empregado enquanto está cumprindo a jornada de trabalho.

Se os empregadores tentam proibir o namoro entre seus trabalhadores fora do expediente ou demitem os que estão namorando, eles podem ser condenados a pagar indenização por danos morais. Nesse sentido, a Justiça é clara: a normas da empresa não podem restringir os direitos individuais de cada funcionário.

“A empresa não pode demitir o trabalhador por conta do relacionamento, mesmo alegando que são regras internas. Se isso acontecer, o sindicato deve ser informado imediatamente para tomar as medidas cabíveis. Os trabalhadores também devem ficar atentos ao demonstrar afeto durante o horário de expediente, que pode ser usado pelo empregador como uma justificativa para demissão”, orienta a presidente do Sintrial Dois Vizinhos, Marilene Martins Moreira.

Assunto polêmico

Embora a proibição do namoro entre colegas seja vedada, quando a situação envolve um chefe e um subordinado, a questão é um pouco mais complicada. Quando um chefe namora um subordinado, é preciso que ele se esforce para mostrar que está sendo imparcial. Afinal, os interesses coletivos dos empregados precisam ser preservados.

Outro assunto polêmico é o assédio moral ou sexual. Isso acontece quando um superior tenta forçar uma relação com um subordinado e utiliza a relação de subordinação. Em casos de assédio, a orientação do sindicato é que o trabalhador procure a assistência jurídica do sindicato para denunciar esse tipo de comportamento.

Fonte: Sintrial Dois Vizinhos